Anabolics #46 Turinabol  o Que é?, Nomes Comerciais, Prós & Contras?

Antes de prosseguir quero deixar bem claro que a intenção é informar em momento nenhum estou fazendo apologia ao uso.

Turinabol oral, popularmente conhecido nos dias de hoje como turinabol ou simplesmente "t-bol", esta droga foi o primeiro produto original da Jenapharm, uma empresa farmacêutica alemã focada na criação e produção de EAAs. A sua patente data do ano de 1961, e o seu uso clínico foi iniciado em 1965. Atualmente o turinabol não é mais comercializado em nenhum medicamento, porém é possível encontrar esta droga sendo vendida por laboratórios underground. Apesar de ser muito mais conhecida nos países europeus, a oferta de turinabol já começa a dar as caras no mercado brasileiro, mesmo que de forma tímida e com preços altos.

Tendo como alguns nomes comercial:

  • Finnea Turinabol
  • Turinabol
  • Turanabol
  • Turinover
  • T-Bol
  • Turi-10
  • Turinabolos
  • Turbolic
  • Turanabolic
  • Tureck
  • Turabol
O turinabol nada mais é que a adição de cloro no carbono 4 da molécula de dianabol. Apesar da pouca diferença estrutural entre turinabol e dianabol, não se deve confundir os seus efeitos. Vejo em muitos lugares pessoas falando que os efeitos desta droga são os mesmos do dianabol, porém sem retenção hídrica. Isso seria uma maravilha, não é? Ganhar todo aquele volume e força, sem reter água. No mundo real, turinabol e dianabol são drogas totalmente diferentes, a despeito da grande semelhança estrutural. Enquanto o dianabol é uma droga muito androgênica e com fortíssima ação estrogênica, o turinabol tem valor androgênico próximo a zero e não se converte em estrógeno. Assim, fica fácil entender que o mais correto é colocar o turinabol ao lado de outras drogas com características semelhantes, como o estanozolol e a oxandrolona, e não o dianabol.
Como já dito, o turinabol não se converte em estrógeno, graças à presença da molécula de cloro que impede essa conversão. Sem a presença de estrógeno o turinabol se torna uma boa opção para um ciclo de definição, já que a presença de estrógeno neste tipo de ciclo é contraproducente. Por outro lado, o baixo valor androgênico do turinabol associado à impossibilidade de redução de sua molécula pela enzima 5a-reductase à um metabólito mais androgênico (mais uma vez, graças ao cloro), não permite que o turinabol ocupe as primeiras posições na lista de "melhor droga para cutting". Mesmo não tendo forte ação androgênica, o turinabol altera favoravelmente a relação andrógeno/estrógeno, o que proporciona aos seus usuários um aspecto mais sólido, denso e bem definido. Esta alteração na relação andrógeno/estrógeno ocorre por dois mecanismos distintos. Primeiramente, o turinabol tem muita afinidade com o SHBG , de forma que ao entrar na corrente sanguínea o SHBG tem mais chances de se ligar ao turinabol do que à testosterona, resultando então em mais testosterona livre. Depois, o turinabol reduz a produção natural de testosterona, que é o principal substrato para a formação de estrógeno. Este último mecanismo é comum a muitas outras drogas.
Para ciclos que objetivam o aumento de massa muscular, não vejo o turinabol como uma boa droga para se usar sozinha. Obviamente, que ela pode ser utilizada em conjunto com outras drogas para este fim, e esse tema será abordado mais a frete. Me deparei com alguns sites e fóruns estrangeiros com informações do tipo "turinabol tem o mesmo poder anabólico que a testosterona". O embasamento para essa afirmação é que o turinabol tem o valor anabólico igual ou próximo ao da testosterona, cerca de 100. Porém, esses dados são feitos a partir de estudos in vitro, e não devemos levar essas informações à risca quando discutimos a ação das drogas no mundo real. Para efeito ilustrativo, o estanozolol tem o valor anabólico de 320, três vezes mais que a testosterona, e todos sabem que a testosterona é muito mais anabólica que o estanozolol. Além do mais, as referências sobre o valor anabólico do turinabol variam entre 53 e 113, o que seria uma faixa inferior aos 100 pontos da testosterona. Então, em um ciclo de turinabol pode se esperar um pequeno aumento de massa muscular com boa qualidade, ainda que de forma lenta se comparada à outros EAAs.
Os alemães encontraram no turinabol uma ótima droga para competições onde a velocidade é a habilidade primaria. A relação força/peso dos resultados que essa droga proporciona tende a melhorar a performance do atleta, já que o turinabol promove um moderado aumento de força sem adicionar muito peso extra para ser carregado (pouco músculo, nenhuma água). Atletas de modalidades que envolvem força também melhoraram seu desempenho com o turinabol, porém as dosagens utilizadas para esta finalidade eram extremamente altas. No arremesso de peso, os homens conseguiram adicionar 2.5-4m às suas marcas, 10-12m no arremesso de discos e 6-10m no arremesso de martelo. As mulheres conseguiram resultados ainda melhores, sendo que uma delas que anteriormente sequer chegava a marca dos 18m, com o uso do turinabol conseguiu ultrapassar a marca dos 20m .

Os Colaterais

De forma geral o turinabol é uma droga leve, sem grandes complicações. Apesar, da grande quantidade de atletas que sofreram efeitos colaterais durante o programa alemão, ainda assim o turinabol é uma droga muito segura. Não podemos esquecer que em sua grande maioria, os atletas alemães utilizavam doses extremamente elevadas. Algumas nadadoras chegaram a utilizar 150mg por dia e um basista ciclou durante 5 anos sem intervalo algum, com doses de até 100mg por dia. Este mesmo basista teve um tumor testicular confirmado 9 anos após o fim do ciclo. Contudo, sabemos que essas não são praticas comuns nos dias de hoje. Por outro lado, doses de 10mg por dia durante 6 semanas parecem não trazer nenhum risco à saúde ou efeitos colaterais.
Sem se converter em estrógeno, colaterais como ginecomastia, retenção hídrica e pressão alta não são um problema. A fraca ação androgênica do turinabol faz com que os colaterais dessa natureza, como aumento da oleosidade da pele, acne e queda de cabelo, não se manifestem na maioria dos casos, ou se manifestem de forma branda. A produção endógena de testosterona é levemente comprometida durante um ciclo com turinabol. Sendo este um colateral dose-dependente, baixas doses de turinabol (10-20mg por dia) parecem ter pouca ou nenhuma influência sobre o eixo HPT.
O turinabol também atua como uma droga fibrinolítica. Isso significa que o turinabol aumenta a a conversão de plasminogênio inativo em plasmina, que é a enzima responsável pela destruição das fibrinas. Estas tem papel fundamental no processo de coagulação sanguínea e hemostasia, e a sua ausência faz com que os cortes e hemorragias sejam reparados mais lentamente. Com isso em mente, não acredito ser uma boa idéia passar por uma cirurgia durante um ciclo com turinabol. Como contrapeso para este colateral, a ação fibrinolítica do turinabol pode diminuir a pressão arterial causada por outras drogas. Sendo uma droga 17aa o turinabol apresenta certa hepatotoxidade, porém em baixo grau, sendo muitas vezes comparada à oxandrolona neste quesito. Apesar de ser uma droga branda em relação a sua hepatotoxidade, não devemos descartar esse colateral ou toma-lo como nulo. Ciclos contendo outras drogas 17aa além do turinabol, ou mesmo ciclos onde o tempo de exposição à esse tipo de droga seja muito longo, devem ser acompanhados de perto através de exames de sangue específicos, como TGO, TGP e Gama GT.